sexta-feira, setembro 18, 2015

ELE

A primeira vez que ouvi falar “dele” já não me lembro com exactidão, apenas sei que ainda era uma criança. Meus pais viviam falando “dele” em suas histórias, a mim e aos meus irmãos. Sempre que fosse a escola, meus professores diziam-nos - alunos - que tínhamos que ter “ele”. Aos domingos na missa, lá estava o padre a falar “dele” repetidamente. Meu irmão mais velho já era casado, e vivia em nossa casa com sua mulher, confesso que era um estresse para mim ouvi-los falar “dele” um com o outro como se fosse nome. Por causa "dele", a minha família alargada passava os fins-de-semana em casa dos meus avôs - já era uma tradição familiar. E eu, todos os dias fazia questão de me lembrar "dele" e usa-lo como os meus parentes, o padre, os meus professores e mais pessoas que me rodeavam usavam.

De repente as coisas mudaram, e minha (nossa) vida deu uma revira volta tremenda. Minha mãe foi presa, e na última visita que fiz a ela na cadeia, encontrei o padre lá da igreja, também estava preso. Meu irmão mais velho deixou a sua mulher. Os almoços lá em casa dos avôs terminaram, e a família podia passar semanas, meses, anos sem se ver.

Comigo, ficou a solidão, o pensamento e as questões: Será que minha mãe tomou a atitude certa, - matar o meu pai - por descobrir que meu pai a traia com minha tia? Será que meu irmão foi certo ao deixar sua mulher, porquê não suportaria viver com uma paralítica? - vítima de um acidente que ele mesmo causou. Será que o padre lá da igreja agiu bem, quando usufruía as escondidas do dinheiro da igreja? Porquê que minha tia aceitou ter um romance secreto com meu pai? Porquê que a morte do meu pai separou uma família por completa? Porquê?! Cadê o “ele”?! Transportava muitas questões dentro de mim, e tinha decidido não me doar mais com medo de saborear mágoas outra vez. Pois em mente, sabia que tudo girava em torno “dele”, quer bem ou mal.

Tempo foi tempo veio e, meus olhos se abriram. Num instante a nitidez estava bem em frente de mim. Permitiu-me assim poder enxergar além, muito mais além do que meus parentes e próximos puderam enxergar. E vi que podia sim me entregar a “ele”. E com certas condições me entreguei: Conhecer "ele" em verdade - porque as vezes confundimos "ele" com emoção, ardor e/ou atracção; Domesticar "ele" e não deixar "ele"  auto se controlar - porque quando "ele" toma conta de si mesmo, tende a se deformar devido o seu lado selvagem; Viver "ele" além das minhas palavras, gestos e/ou aparência - pois ele é muito mais do que tudo isso; E por fim, criar bases sólidas, para que quando ventos fortes viessem, não derrubassem “ele” - o “amor”!

13 comentários:

  1. Oi seu moço Telé! kkk

    Obrigado por ter ido no Sibarita, continue... Claro, eu continuo por aqui também, oi que bom! kkkk

    Seu texto, "ele" demais! Sim, ele o amor é quem manda e desmanda no coração, tem coisa melhor? Não tem né! kkkk

    Muito bem feito o seu texto, o amor por vezes incompreendido, mas, ainda assim amor, repare... kkkk

    Porreta!

    O Sibarita

    ResponderExcluir
  2. Realmente o amor é que resolve pois sem o amor não se chega perto do ELE maior;
    O texto tá muito bem escrito e prende, vai induzindo a gente a ir para outro pensamento.

    Histórias, estórias e outras polêmicas

    ResponderExcluir
  3. Sentidos os seus textos da gosto em ler

    ResponderExcluir
  4. Sentidos os seus textos da gosto em ler

    ResponderExcluir
  5. Excelente seu texto, Telé. Muito inteligente e bem construido com um final surpreendente. Você é talentoso, cara. Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Confesso que a tempo não lia algo tão bem escrito e elaborado, o qual traz em si um fundo poético, refletindo assim a essência do amor. Aliás em tudo que se envolve o amor, em si da nisso um tempo muito bem escrito...

    Um grande abraço meu amigo, espero-te em uanderesuascronicas.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, é bom saber que estamos envolvidos no texto
      Obrigado pela passagem...

      Excluir
  7. Infelizmente, minha vida está uma correria sem fim e por isso quero pedir desculpas aos amigos, pois estou sem tempo para postar e para visitar os blogs que tanto estimo.
    Em breve entrarei voltando à normalidade.

    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
  8. Olá, te indiquei para o Prêmio Dardos :D
    http://wordsbyalonelyguy.blogspot.com.br/p/premio-dardos.html

    ResponderExcluir